Inclusão na NYC Marathon

Se aqui no Brasil a gente ainda tem que bater o pé e brigar para que uma mãe possa subir no pódio com seus filhos, lá fora as ações de inclusão já estão acontecendo. Depois de um período nebuloso, cheio de escândalos em 2020, a organização da Maratona de Nova York anunciou mudanças importantes para 2022. A prova, que acontecerá no domingo, 6 de novembro, deve incluir 50.000 corredores e promete um esforço na inclusão.

Não é a primeira vez que estou inscrita e não vou, mas minha amiga Debs Aquino estará lá e vou pedir para que ela nos envie fotos do rolê, combinado?

O que muda para a comunidade LGBTQ+?

Pouco mais de um mês após a Maratona de Boston anunciar uma nova categoria não binária para corredores em sua corrida de 2023, a Maratona de Nova York lançou suas próprias iniciativas destinadas a tornar o evento mais inclusivo. Em 17 de outubro, a New York Road Runners (NYRR), grupo responsável pela Maratona de Nova York, anunciou uma expansão das iniciativas de inclusão para a corrida deste ano.

Os esforços se concentram em apoiar corredores em comunidades sub-representadas, LGBTQ+ e não binárias, atletas com deficiência e atletas que amamentam. Uma dessas iniciativas marca um grande progresso para corredores não binários. Em junho de 2021, a NYRR introduziu uma categoria não binária para suas corridas, tornando-se uma das primeiras grandes organizações de corrida a fazê-lo. Este ano, eles estão construindo isso: a Maratona de Nova York de 2022 será a primeira Maratona Mundial a conceder prêmios em dinheiro a corredores não binários.

O World Marathon Majors é um agrupamento de seis maratonas de prestígio que abrangem vários continentes, incluindo Berlim, Londres, Chicago, Tóquio e Boston. Os cinco melhores atletas da nova categoria não binária ganharão um prêmio em dinheiro, com o primeiro colocado recebendo US$ 5.000. A categoria não binária é apenas para corredores gerais – atualmente não há uma categoria não binária profissional. Nas divisões abertas masculina e feminina (que é para corredores profissionais), os campeões ganham US$ 100.000.

Atualmente, não há prêmios em dinheiro para os melhores homens e mulheres que não são profissionais ou não estão em nenhuma outra categoria específica, como membros ou mestres da NYRR.

Embora Boston, Berlim, Londres e Chicago tenham se juntado a Nova York para permitir que os corredores se registrem como não-binários (Tóquio ainda não fez o mesmo), eles não ofereceram prêmios em dinheiro aos participantes. Na corrida do ano passado, 16 atletas foram identificados como não binários. Esse número cresceu, e espera-se que 60 corredores não binários se alinhem na largada deste ano.

Como resultado da dedicação para melhorar a inclusão, os esforços da NYRR foram reconhecidos pela Stonewall Inn Gives Back Initiative, a instituição de caridade oficial do histórico Stonewall Inn. A organização declarou a Maratona de Nova York um Espaço Seguro para a comunidade LGBTQ+, com base em métricas de certificação, como treinamento adequado, políticas e padrões que garantem a segurança e defendem a igualdade. Isso torna a Maratona de Nova York o primeiro evento esportivo a receber a certificação, de acordo com a NYRR.

O que muda para as mães?

A Maratona de Nova York está expandindo seu apoio para atletas que amamentam na corrida. Em parceria com a &Mother, uma organização sem fins lucrativos cofundada pela corredora olímpica de meio-fundo Alysia Montaño – que postou no Instagram que correrá nesse ano – a NYRR planeja oferecer mais estações de lactação em diferentes locais durante o fim de semana de corrida. Os espaços privados de lactação estarão agora na expo, na largada, ao longo do percurso e perto da linha de chegada da maratona. Os organizadores também continuarão a transportar bombas de enfermagem do início ao fim para os corredores, como têm feito nos últimos 10 anos.

Também nos últimos 10 anos, a Maratona de Boston ofereceu uma tenda de bombeamento na largada, com um transporte médico que leva as bombas do início ao fim. Em entrevista ao Runner’s World, a Boston Athletic Association estimou que cerca de 30 mulheres usaram o serviço na corrida deste ano. Quanto a Nova York, não se sabe ao certo quantos devem usar os recursos na corrida deste ano, pois não consta no processo de inscrição, mas a organização entende a importância de solucionar os impecilhos que limitam as corredoras que amamentam.

Largar NYC é uma verdadeira jornada. Os corredores devem chegar à balsa, viajar para Staten Island e esperar pelo curral – um processo que pode levar horas antes mesmo de a corrida começar. “Queríamos garantir que nada impedisse que as mães pudessem participar da melhor maneira possível e se sentissem confiantes de que teriam recursos na largada, chegada e ao longo do caminho para garantir que pudessem ter a experiência de corrida mais positiva”.

O que muda para os cadeirantes?

No mesmo anúncio, a NYRR também compartilhou que o bônus por quebrar o recorde de tempo no curso para a divisão profissional de cadeiras de rodas agora será igual ao bônus de recorde do curso para a divisão aberta profissional – agora será de US $ 50.000 para ambos. O passo em direção à igualdade salarial segue outras grandes corridas e órgãos governamentais que aumentaram seu apoio a cadeiras de rodas e para-atletas nos últimos anos. Em 2021, o Comitê Olímpico dos Estados Unidos ajustou o prêmio em dinheiro para os atletas paralímpicos para igualar o dos atletas olímpicos.

Este ano, a Maratona de Londres estabeleceu um recorde ao distribuir mais dinheiro na competição de cadeira de rodas. Esses esforços de inclusão marcam uma grande transição após um período tumultuado para a NYRR. Em 2020, o ex-CEO da NYRR, Michael Capiraso, foi demitido da organização após o surgimento de alegações de racismo e sexismo, de acordo com o Runner’s World. Hempel, que trabalhou anteriormente na NYRR antes de liderar uma empresa de consultoria, foi nomeado CEO interino enquanto o conselho de administração procurava um substituto permanente. Rob Simmelkjaer, executivo de televisão esportiva e apresentador no ar, substituirá Hempel como o novo CEO em 15 de novembro.

“O mundo estava passando por um momento desafiador, a organização estava passando por um momento desafiador, mas também nos deu a oportunidade de ver como recuperamos mais fortes”, diz Hempel.

ESTAMOS DE OLHO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.